• Carla Sales

Relato de caso: Chico e o diagnóstico de linfangiossarcoma

O linfangiossarcoma é um tumor maligno bastante raro, que ocorre em casos de linfedema crônico primário ou secundário. De acordo com Hellman S, DeVita VT, Rosenberg S (2001), pode envolver qualquer uma das extremidades, mas é mais comum em membros superiores. Embora o seu nome implique uma origem linfática, entende-se que ele surge a partir de células endoteliais, podendo ser mais precisamente denominado de angiossarcoma.


Geralmente ele ocorre em forma de massas flutuantes com margens demarcadas, ulceração e drenagem de aspecto seroso. Possui mau prognóstico e curto curso clínico devido à ocorrência de metástases. Seu diagnóstico histopatológico é geralmente dificultoso, já que as células endoteliais possuem características morfológicas que se sobrepõem ao hemangiossarcoma. Os marcadores imunohistoquímicos convencionais utilizados para diagnóstico de neoplasias endoteliais, como Fator VIII e CD31, não têm capacidade de diferenciar células endoteliais linfáticas de células endoteliais sanguíneas, não sendo eficaz no diagnóstico de linfangiossarcoma.


Recentemente, foram descritos marcadores imunohistoquímicos específicos de células endoteliais linfáticas, como o LYVE-1 e o PROX-1, que permitem diagnóstico definitivo em tumores vasculares mal diferenciados.


Infelizmente ainda temos pouca literatura sobre esse tipo de tumor e, na maioria das vezes, encontramos apenas relatos de casos. São esses relatos que nos ajudam a tomar decisões sobre os tratamentos mais adequados para cada animal, já que as especificidades da doença, principalmente em relação ao prognóstico, são bastante complicadas.



O gatinho das fotos é o Chico. Ele tem 8 anos e em agosto foi diagnosticado com um linfangiossarcoma na pálpebra.



De início, foi removida uma parte da pálpebra, sem margem. Em seguida, foi aplicada a eletroquimioterapia para evitar uma reiscindiva no local.




Nesse momento, ele está passando por sessões de quimioterapia, já que o tumor exige esse tipo de tratamento. Ele está respondendo bem.



Posso dizer que a pior parte, para o Chico, já passou. Agora seguimos com o tratamento para que ele se recupere logo.


60 visualizações

Todos os direitos reservados para Carla Sales - 2019